Da volta às aulas.

Depois de dois meses de férias, a volta às aulas...

Na vida de um estudante, a volta às aulas é um marco no ano. Praticamente um evento. Todas aquelas caras feias que a apenas dois meses e alguns dias atrás você não aguentava mais olhar estão lá, e que saudade delas!

Quem você gosta, te abraça. Quem você não gosta... bem, te abraça também, horas. Afinal de contas, é a volta às aulas.

Percebam, meus queridos, que surpresa, que coisa incrível: ontem foi meu primeiro dia de aula do ano de 2010.

Antes de contar como foi, quero deixar claro que adoro minha escola, e se me fosse dado a escolha de voltar no tempo e escolher outro lugar para estudar, decerto não trocaria por escola alguma, minha atual.

Pois bem, inoxidabilíssimos, meu regresso às salas de aula assim se passou:

Logo após acordar, me trocar e tomar o café da manhã, fiz minha caminhada matinal de 12 passos contados até minha longiquíssima instituição de ensino. O dia estava seco. E lá ia eu com minha cara de sono e cabelo em pé...

Cheguei, entrei e me dirigi até a quadra. O colégio cheirava a tinta e havia altos enfeites para onde se olhava.

As boas-vindas começaram. Os alunos se sentavam na arquibancada, e os pais dos mesmos, numa platéia organizada para recebe-los no meio da quadra. O orador falou com eloquencia.

E, novamente, o orador falou com eloquencia.
Mais uma vez, o orador falou com eloquencia.
Não obstante, vejam vocês, o orador falou com eloquencia.

E assim se seguiu por uma, quase duas horas seguidas.

Como todo ano, aquela legião de pais dos alunos fazendo a mesma coreografia:

-bracinho cruza, bracinho descruza, perninha cruza, perninha descruza, não esquecendo da cabecinha.. de uma laaado.. pro ooooutro.. subiu! ... Agora, batendo o pezinho no chão!

Não que o discurso não prestasse. Mas pais, são pais. Era tão evidente que dava pra escutar eles pensando: "Eu já trouxe o pirrai aqui a essa hora e ainda isso... Vamos, querido, eu tenho o que fazer..."

Depois disso, os professores foram apresentados. Alguns novos no corpo docente mas a maioria eram velhos conhecidos nossos.

Deu-se assim o término das boas-vindas. Seguimos até a sala de aula. Nostalgia... O cheiro de tinta em fevereiro sempre traz lembranças dos anos passados. Os professores falavam.. falavam.. e falavam de novo sobre como este ano é importante, e como devemos aproveitá-lo ao máximo. E nesse ritmo prosseguimos até a ultima aula da manhã. Eu gostei. Revi companheiros antigos. Estou na mesma escola desde sua fundação, na minha quinta-série. Amigos e conhecidos ali dentro é o que não me falta. Gosto muito de lá.

Deixando isso de lado, gostaria de comentar sobre a rede de pesquisas que se formam nessas rodinhas de meninas. O Google decerto se inspirou nelas. Não tem condições... putaqueopariu.

Durante o intervalo, lembro de ter ficado durante uns 5 minutos perto de uma rodinha de gurias. Dava pra escutar a conversa.

- "Mulher, visse o professor novo? Miniiiinnaa... o que é aquiiilo heeein?" - comentou a primeira.
Até aí tudo bem. É de adolescente isso. Perfeitamente compreensível. Então...
- "E tu acha que eu num vi não? O nome dele parece que é XXXX XX XXXXXX XXXX... mora alí perto do XXXXX XXXX... ele namorava aquela menina que aparecia na XXXXXX XXXXXXX XX... acho que li em algum canto que ele nasceu em XX/XX/XXXX... o ascendente dele é em XXXXXXXX... signo no horoscopo chinês é XXXXXX... mas parece que é apressadinho, parece que rolaram duas multas de trânsito..."

Nesse momento eu parei. Repensei toda minha vida. O quanto tinha sofrido pra adquirir metade do que conheço hoje... As horas de leitura, a energia gasta na Wikipédia... O tempo com pessoas mais velhas trocando experiencias e ouvindo conselhos. Meu mundo caiu. E tive a certeza: A biblioteca de Alexandria decerto era administrada por mulheres. Lembrando, meus queridos, que estávamos no primeiro dia de aula. Apenas 4 horas desde a apresentação dos professores. Incrível. Tão incrível que talvez até o Emplasto Brás Cubas perdesse em vendas, caso a idéia fosse patenteada e engarrafada.

Anyway, o post ficou grande, mas assim aconteceu.

waking up...

Acordei.
- "Aaaaaaaaaalgodão Doooce! Um é 2 e Três é 5..." - era um ambulante na rua.

Meu nariz estava meio congestionado, não senti cheiro de nada. Me virei. Abri os olhos. Tudo branco. Branco. Apenas uma circunferencia se distinguia daquilo tudo branco - era uma lâmpada, e o branco, o teto do meu quarto.

Respirei fundo. Lembrei do café da manhã, dos meus pais, de Obama e de um livro que tinha que terminar de ler. Eram 8:30.

Respirei fundo denovo. Fechei os olhos por um instante. Não pensei em nada. Tirei o lençol de cima de mim.
- "ssáporra..."

Me virei e fui dormir denovo.